Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

“ESTAMOS AQUI POR BEM E EM DEFESA DA NOSSA FESTA BRAVA”

31.01.11 | António Lúcio / Barreira de Sombra

Esta é uma das frases-chave da entrevista que realizámos com Ricardo Levesinho, sócio-gerente da Tauroleve, empresa que foi reconduzida pela Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca de Xira (após concurso) na gestão dos destinos da centenária praça de toiros “Palha Blanco” e que hoje vos damos a conhecer e onde mostra a certeza e firmeza das suas convicções.

 

Barreira de Sombra – Podemos afirmar que se fez justiça  com a atribuição da concessão à Tauroleve, por parte da Santa Casa da Misericórdia, da gestão da “Palha Blanco” após um extraordinário trabalho que fizeram e de assim poderem continuá-lo?

 

Ricardo Levesinho (RL) – Tendo em conta essa aprovação da continuidade do projecto, é uma avaliação positiva que nos passam; é uma satisfação pelo trabalho que fizemos e um orgulho muito grande concerteza e é um grande prazer, primeiro por sentirmos que as pessoas gostam do nosso trabalho e do nosso esforço e, por outro lado, também continuar com este projecto em que acreditamos cada vez mais, onde há muitas coisas a fazer e esperamos estar à altura do mesmo. E cada dia que passa, à medida que vamos fazendo  espectáculos, que se crie de novo ambiente em Vila Franca, uma grande afición e um grande interesse nos aficionados.

 

Barreira de Sombra – Nos últimos 3 anos verificou-se um aumento geral da média de espectadores em cada espectáculo apesar  de no final da temporada haver sempre o problema meteorológico que levou à anulação/suspensão de espectáculos. É a vitória de uma aposta nos preços baixos  e da qualidade dos espectáculos de de uma aposta forte nas ganadarias portuguesas?

 

RL – É mais o segundo aspecto da questão que eu queria realçar. Na questão dos preços, acreditem que nós fazemos os possíveis e impossíveis por os ter o mais barato possivel, o mais acessível para as pessoas  mas a nossa grande aposta é mais sobre a segunda questão Não entendo este “negócio”, esta actividade, este gosto, como uma questão de lutar unicamente pelos preços, pelo preço barato, e desfavorecer a qualidade porque o que nós pretendemos é a qualidade e se a tivermos, se apresentarmos seriedade, fazemos ver às pessoas que estamos aqui por bem e em defesa da nossa Festa Brava, acredito que as pessoas possam fazer um esforço. Mas a qualidade tem de existir sempre e temos que mostrar aos aficionados e ao público em geral que cada dia que passa estamos cá para apresentar essa qualidade da melhor forma possível.

 

Barreira de Sombra – Porque o toiro é elementofundamental, vocês fizeram uma aposta fortíssima em ganadarias portuguesas, um confronto Ribatejo/Alentejo, ganadarias dos campos de Vila Franca que não eram presença assídua na “Palha Blanco”. Uma aposta ganha na emoção com vários toiros notáveis, de Falé Filipe, Oliveiras, Casquinha, Sorraia e David R.Teles, por exemplo. Os toiros portugueses dão uma garantia de êxito que os espanhóis não dão?

 

RL – Não me cabe a mim avaliar os toiros espanhóis ou dizer mal deles, por amor de Deus. Acho que quando é para se criar um espectáculo interessante, nem que seja necessário ir buscar toiros à China pois o que queremos é que os aficionados fiquem satisfeitos e que os artistas, os toureiros, consigam ter matéria-prima para brilharem e que o espectáculo seja de êxito total. Fui buscar toiros portugueses porque acredito nas ganadarias portugueas, acredito no trabalho dos ganadeiros portugueses e se estamos em crise temos de ajudar o nosso País a desenvolver-se. Não é com importação excessiva que vamos ajudar o País nesse sentido. É um sentido, uma atitude, um gosto também e por isso tomei essa decisão onde todos os elementos da Tauroleve se empenharam e entenderam que era o caminho mais correcto. Se nós sentimos que as ganadarias portuguesas têm bons produtos para criar bons espectáculos, somos os primeiros a bater à porta e estaremos lá concerteza.

 

Barreira de Sombra – Deixam também mais aberta a porta do que quando se iniciaram nestas lides, dando também mais garantias aos ganadeiros portugueses. Mas também no campo dos artistas tiveram a atitude de dar oportunidades a jovens toureiros com valor, de lhes abrir as portas, premiando os triunfadores. É uma aposta para manter e também no toureio a pé?

 

RL – Claro que sim! Esse é o nosso caminho, o caminho que traçámos e que vamos seguir. Acho que só defendendo o futuro é que defendemos a Festa Brava. Só dando oportunidades aos mais novos é que concerteza iremos ter futuro, e não nos vamos desviar nada neste nosso caminho. Temos de ajudar, de apoiar, de consagrar, de reconhecer o trabalho dos artistas durante todo o ano e contar com eles na feira de Outubro. Mas também durante a temporada estamos cá para dar oportunidades àqueles artistas que consideramos terem valor e atitude e entrega para triunfarem na “Palha Blanco”.

 

Barreira de Sombra – Nos últimos 3 anos tem havido uma grande atitude na promoção e defesa do toureio a pe em Vila Franca, terra de grandes e gratas figuras. Depois de um certo divórcio, convosco este aspecto do apoio ao toureio a pé começando pela escolha das ganadarias, será para continuar?

 

RL – Claro que sim! Estamos muito satisfeitos com esse caminho como referi na resposta anterior. Acreditamos que este caminho tem sido muito positivo, tem sido um percurso com coisas a melhorar concerteza, mas onde existe muita satisfação por estarmos a contribuir para esse êxito. Tentamos fazer bem, é para manter e melhorar, com as ganadarias que achamos que estão no melhor momento possível pois é com elas que estaremos a contar porque queremos, como já referi, grandes êxitos. E aí não há muitos segredos e as tácticas não podem ser muito diferentes: quando estamos satisfeitos, quando vemos que é o caminho mais correcto, quando existe verdade, quando existe entrega de todos, tudo se conjuga para o espectáculo de êxito, de sucesso. E nós precisamos deste tipo de espectáculos porque só assim é que os aficionados vão à “Palha Blanco” como vão aos toiros a outro lado qualquer. Se acreditarem que vai haver um bom espectáculo, concertza que lá estarão para apoiar os artistas a triunfar.

 

Barreira de Sombra – A televisão esteve presente em Vila Franca (Arte & Emoção), a comunicaçãom social foi presença constante e massiva em todos os espectáculos na “Palha Blanco”. Achas que é importante para o desenvolvimento do vosso projecto o papel da comunicação social na divulgação e análise dos espectáculos? Conseguem tirar daí também algumas ilações para o futuro do vosso trabalho?

 

RL – Concerteza. Todos os dias aprendemos e reconhecemos à comunicação social grande capacidade de análise. Temos de aprender diariamente, temos de conseguir ler as críticas e crónicas pois só assim nos podemos desenvolver e, para além disso, a função normal da comunicação social é informar o público e o aficionado sobre o que aconteceu naquela tarde ou noite e estamos completamente rendidos à qualidade da comunicação social por esses dois vectores de que falei e tudo o que de bom têm dito de nós muito se deve à comunicação social pela forma como passa a palavra e reconecemos essa importância da avaliação que tem sido feita porque tem sido prestigiante e de reconhecimento do nosso trabalho e esforço. Estamos gratos.

 

Barreira de Sombra – A Tauroleve é uma empresa familiar onde sentimento e emoção são colocados em todo o trabalho. O que é que nos reservam para esta temporada de 2011?

 

RL – Vai ser uma temporada com um planeamento normal. Mesmo não havendo este ano o Salão do Cavalo, a corrida vai ter lugar pois é um espectáculo já com tradição. Será a 8 de Maio e vamos novamente apostar em jovens com reconhecido valor para os poder apoiar; o Colete Encarnado como festa mais bonita e emblemática de Vila Franca e no fim teremos quatro espectáculos pela Feira de Outubro onde queremos reconhecer o mérito dos artistas durante a temporada a prestigiar assim a nossa Feira, premiando os seus triunfos. Será uma feira de premiar e reconhecer o trabalho dos artistas. Quanto às ganadarias, serão aquelas que nos possam ajudar a contribuir para os bons espectáculos. Estamos em análise de campo, a ver toiros, e em finais deste mês princípios de Março penso que poderemos divulgar as ganadarias que lidarão em Vila Franca.

 

Ficamos então a aguardar pelas próximas notícias da Tauroleve para a temporada 2001 na centenária “Palha Blanco”.