Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

CASQUINHA TRIUNFA NO SEU REGRESSO Á “PALHA BLANCO”

Praça de Toiros “Palha Blanco” – Vila Franca de Xira – 05/10/17 – Corrida Mista

Director: João Cantinho – Veterinário: José M. Lourenço – Lotação: 1/3

Cavaleiros: Ana Batista, Francisco Palha

Forcados: Amadores de Vila Franca

Matadores: Nuno Casquinha, Juan Leal

Ganadarias: Passanha (1º e 7º - sobrero), Murteira Grave (4º, 5º), Pontes Dias (2º, 3º, 6º)

IMG_8074.JPG

CASQUINHA TRIUNFA NO SEU REGRESSO Á “PALHA BLANCO”

 

Atrasada mais de uma hora (anunciada para as 17h, começou às 18h11), a corrida mista realizada no feriado de 5 de Outubro em Vila Franca, envolta em mais peripécias de troca de toiros depois dos problemas na corrida de terça-feira, viu serem anunciados toiros de três ganadarias: Passanha, Grave e Pontes Dias, e a presença de público foi o reflexo de tudo quanto se passou nestes últimos dias.

 

Chegou e voltou a conquistar Vila Franca. Falamos do matador de toiros Nuno Casquinha. Placeado como nunca, correspondeu às expectativas e agarrou o público logo na forma como toureou de capote o primeiro do seu lote, um toiro de Pontes Dias ao qual lhe custou romper. Depois vieram dois grandes pares de bandarilhas e a ovação do público a quem Casquinha brindaria a sua faena de muleta. Raça, entrega, bons muletazos pelo lado direito em duas séries e uma outra de bons naturais foram a marca da qualidade do seu toureio. E quando o toiro começou a ficar-se a meio dos muletazos foi a entrega do toureiro a fazer a diferença. Volta aclamada. E no que foi sexto da tarde/noite, de novo esteve bem de capote e partilhou o tércio de bandarilhas com Pedro Gonçalves (um bom par) deixando outros dois bons pares. Na faena de muleta, onde por vezes faltou toiro (era também de Pontes Dias), Casquinha conseguiu uma larga série de bons naturais, cumprindo no resto da faena.

 

Juan Leal lidou em primeiro lugar um corpulento toiro de Pontes Dias, cómodo de cara e com pouca vontade de investir. Bem de capote, esteve francamente bem e disposto ao sacar bons muletazos mas com o toiro a rapidamente descair para tábuas e não querer a luta. O jovem toureiro francês mostrou a sua raça e foi-lhe “roubando” passes um pouco por toda a praça. O seu segundo, também de Pontes Dias, mais pequenote, denotou falta de forças e veterinário e director de corrida mandaram-no recolher já depois de ter cravado um par de bandarilhas. O sobrero era um “tio” de Passanha, com problemas de visão pelo lado direito mesmo assim o toureio francês arriscou, sacou-lhe os passes possíveis e não se livrou de uma forte voltareta.

 

No toureio a cavalo, a corrida começou com uma lide a duo entre Ana Batista e Francisco Palha que se entenderam bem ante um toiro de Passanha que serviu.

 

A sós, Ana Batista enfrentou um imponente toiro de Murteira Grave (volta à arena), enraçado mas por vezes a adiantar-se às montadas. Ana entendeu-se com ele a contento e teve dois curtos de boa nota.

 

Francisco Palha teve por diante outro de Murteira Grave que não comprometeu. Palha andou bem na brega e cravou um primeiro comprido de muito boa nota e em que aguentou a investida do toiro até ao limite e dois curtos também de muito boa execução.

 

Os Forcados Amadores de Vila Franca consumaram as pegas de caras aos três toiros, não sem sofrerem um susto forte com o violento derrote sofrido por David Moreira contra a trincheira e que o deixou inanimado. Abriu praça Guilherme Dotti que recuou muito bem e se fechou com determinação à primeira tentativa, seguido por David Moreira que se lesionou na única tentativa que efectuou e foi dobrado por Francisco Faria numa rija cara ao primeiro intento, Vasco Pereira consumou à segunda tentativa a terceira pega do seu agrupamento.

 

De realçar a magnífica prestação dos bandarilheiros João Oliveira e João Pedro, ambos com magníficos pares de bandarilhas.

 

Na direcção da corrida esteve João Cantinho assessorado pelo veterinário José Manuel Lourenço.

 

Crónica e foto: António Lúcio

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me