Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

ALTERNATIVA: UM PASSO MUITO SÉRIO!!! EMOÇÃO COM OS FORCADOS ESTA TARDE NO MONTIJO

O doutouramento em qualquer área do conhecimento exige um percurso académico consequente. Ninguém chega a doutor em leis ou em medicina, por exemplo, sem antes ter mostrado, num conujunto de exames anuais, reunir as condições necessárias para atingir tal patamar e distinção. O mesmo sucede com os toureiros: de amadores passam a praticantes e daí a profissionais de alternativa. Têm, e devem, percorrer um caminho de exigência cada vez mais apertada para poderem aspirar ao mais alto grau da carreira. É, pois, um passo muito sério e uma decisão que tem de ser tomada em consciência por todos quantos nela se envolvem.

 

Ana Batista cedeu o primeiro ferro da tarde a Joana Andrade, cavaleira praticante e aspirante à alternativa nesta tarde de 10 de Abril. O toiro, marcado com o nº 129, de 560kg e da ganadaria de Herds.Salvador Guardiola, tinha investidas de seda, suaves e sempre pronto a colaborar com investidas de classe. A aspirante a cavaleira de alternativa Joana Andrade deixou dois bons compridos e não passou do sofrível com os quatro curtos que deixou no toiro, deixando passar em claro uma possibilidade de triunfo apoteótico. E no que encerrou praça não deixou dúvidas aos bons aficionados que assim, sem conseguiur impor-se às montadas e com notórias insuficiências para cravar a ferragem, não deveria ter precipitado a prova da alternativa. Más tardes todos têm e pode ser que, com muito trabalho e dedicação, possa atingir um patamar acima do sofrível.

 

A cavaleira de Salvaterra, Ana Batista, teve por diante dois toiros de condição distinta e sentiu dificuldades face às investidas do primeiro do seu lote, em que havia de estar mais em curto e a favor da querença natural para cravar a ferragem. Entregou-se e andou esforçada mas sem conseguir o triunfo desejado, o que também não sucederia no quarto da ordem.

 

Manuel Caetano mostrou vontade de triunfo ao receber ambos os toiros em sortes de gaiola. Nem sempre as coisas lhe correram de feição e no seu primeiro os ferros ficaram muito dispersos sofrendo vários toques. No seu segundo sofreu uma aparatosa queda nos compridos e com a ferragem curta só nos de violino aqueceu as bancadas.

 

Três Grupos de Forcados estiveram em praça e foram eles os responsáveis pelos melhores momentos da tarde, com algumas pegas de bastante valor pela forma como os toiros entraram e derrotaram com força. Pelos da T.T.Montijo, abriu praça o cabo Márcio Chapa que concretizou boa pega à primeira e no quarto da tarde Luis Frieza foi desfeiteado várias vezes com derrotes secos e violentos, sendo emendado por José Martins, a sesgo e à 1ª. Os Amadores do Montijo viram como o cabo Ricardo Figueiredo consumava com valor à primeira e Pedro Santos viria também a consumar com êxito à primeira. Finalmente, pelos Amadores do Redondo, foram caras Roberto Mataloto que consumou à segunda e Nuno Oliveira numa boa pega de caras ao primeiro intento.

 

Os toiros de Herds. Slavador Guardiola tinham cinco anos (excepto o 5º com 4 anos), estavam bem apresentados e mansearam no geral, excepção ao excelente primeiro da tarde.

 

Direcção de Alberto Bartissol, condescendente na concessão de música, assessorado pelo veterinário Carlos Santos, bem na devolução do sexto toiro por coxeira.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me