Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BARREIRA DE SOMBRA 30 ANOS (1987/2017)

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

Desde 13.06.1987 ao serviço da Festa Brava

MANUEL TELLES BASTOS TRIUNFA EM VILA FRANCA

 

Praça de Toiros “Palha Blanco” – Vila Franca de Xira – 20.03.10
Director: Ricardo Pereira – Veterinário: José Manuel Lourenço – Lotação: 1/3
Cartel: Vitor Ribeiro, Manuel Telles Bastos, Manuel Caetano, Tomás Pinto
Forcados: Amadores de Vila Franca
Espadas: Luis Procuna, Nuno Casquinha
Ganadarias: Manuel José da Ursula, Felicidade Dias, Canas Vigoroux, Manuel Coimbra
 
A noite estava agradável do ponto de vista climatérico mas não o foi, genericamente, no capítulo do toureio e muito por culpa das reses que foram saindo pela porta dos currais e que tiveram pouca qualidade, alguns mansos sem classe e avisadíssimos (1º e 3º), e também pela presença de público que foi escassa. Triunfou Manuel Telles Bastos com uma lide de muito bom nível ao toiro de Fernando Palha que, por sinal, seria o único da corrida a revelar boas condições.
 
Manuel Telles Bastos mostrou a sua classe na forma como recebeu e dobrou o toiro e o deixou colocado para cada um dos ferros, sempre muito envolvido com a brega e a cravar bem os compridos para, com os curtos, deixar-se ver em cada cite, encurtando bem as distâncias em viagens rectilíneas, vencendo o piton e cravando com categoria. Uma actuação de muito bom nível e a deixar boas perspectivas para a temporada.
 
Vítor Ribeiro abriu praça com um manso e avisado erale de Manuel José da Ursula e sentiu enormes dificuldades para lhe cravar a ferragem, com o oponente a «meter-se» por tudo quanto era sítio. Não foi sua a noite mas esteve esforçado e diligente.
 
Manuel Caetano lidou um de Canas Vigoroux e alternou bons momentos com outros de alguma precipitação. Deixou apontamentos da sua disposição em querer triunfar.
 
O praticante Tomás Pinto teve uma lide interessante, cumprindo na ferragem que cravou, preocupando-se em lidar o toiro manso de Felicidade Dias que saía dos ferros aos «arreões» e depois se desinteressava da montada. Foi uma actuação agradável pelo esforço colocado na sua actuação.
 
O matador Luis Procuna teve o azar de lhe ter tocado por sorteio um manso sem classe e perigosíssimo toiro de Felicidade Dias, intragável desde os primeiros lances de capote em que se metia descaradamente pelo lado direito. Nas bandarilhas foi colhido ao não desfazer a sorte para o primeiro par, com o toiro a esperar e a medir para o colher. Deixou 3 pares de bandarilhas com entrega e com a muleta apenas passes de alinho e a tentar, em todos os terrenos e pelos dois pitóns, com pundonor e garra, o que era impossível: sacar água de um poço seco.
 
Nuno Casquinha lidou um pesado e bizco toiro de Manuel Coimbra estando bem de capote por verónicas e chicuelinas. Com a muleta esteve em plano de novilheiro, com raça e ganas de triunfo, e sacou meritórios passes pelo lado esquerdo, o único por onde o toiro investia com alguma repetição. Uma actuação convincente frente a um toiro que não deu facilidades.
 
Os Forcados Amadores de Vila Franca consumaram as quatro pegas de caras por intermédio de Jorge Silva à 3ª, Rui Graça à 2ª, Cristiano Veloso também à 2ª e Flávio Henriques na melhor pega da noite, rija, à 1ª.
 
Direcção acertada de Ricardo Pereira assessorado pelo veterinário José Manuel Lourenço.